Conquistas na Aviação

 

Além de sua antiga paixão pelo marketing e automobilismo, Bordin é também um grande apaixonado pela aviação. Em janeiro de 1998 decide largar tudo para realizar um sonho de infância: virar piloto de linha aérea.

 

Veja abaixo um breve histórico da vida de Bordin na aviação.

 

 

1991 – O início
Em 15 de abril de 1991, a bordo de um Piper Cherokee, prefixo PT-DKI, Sady Bordin é checado e aprovado para obter sua licença de Piloto Privado.

 

 

1998 – Dedicação exclusiva

No início do ano, com 35 anos então, Bordin resolve sair da administração da Palm Informática para dedicar-se única e exclusivamente ao mundo da aviação.

 

Em 30 de janeiro embarca para Fort Lauderdale (Florida, EUA) para fazer os cursos e obter as licenças de Piloto Comercial, Multi-Motor e Instrumento.

 

Em 15 de abril, pilotando um Piper Cherokee, prefixo N4333C, Bordin é checado e aprovado para obter sua licença de IFR (vôo por instrumento).

 

Em 4 de maio, ao comando de um Baron, prefixo N6011E, é checado e aprovado para obter sua licença de Multi-motor (para pilotar aviões com mais de um motor).

 

Finalmente, em 8 de junho de 1998, pilotando um Sêneca III, prefixo N4354F, Sady Bordin é checado e aprovado para receber sua licença de Piloto Comercial.

 

Retornando ao Brasil em junho, Bordin é obrigado pelo DAC a fazer novamente os cheques feitos nos EUA para poder obter suas licenças brasileiras.

 

Em 18 de julho, a bordo de um Corisco Turbo, prefixo PT-FXG, Bordin é checado e aprovado para obter sua licença de Piloto Comercial IFR.

 

Finalmente, em 14 de agosto, a bordo de um Sêneca III, prefixo PT-RZA, Bordin é checado e aprovado para obter sua licença de Multi-Motor.

 

Com as licenças brasileiras na mão, Sady Bordin procura a Embraer para fazer o curso do Brasília (turboélice para 30 passageiros). Após duas semanas de aula teórica, para conhecer todos os sistemas do avião, Bordin faz 20 horas de simulador e é checado e aprovado no simulador para ser co-piloto de Brasília em instrução.

 

Em 14 de dezembro a realização do sonho: Bordin é admitido na Interbrasil Star (extinta companhia aérea regional de propriedade da falecida Transbrasil Linhas Aéreas) como co-piloto de Brasília.

 

2000 – Convite inesperado
No início de janeiro, após o fim de mais um vôo, Bordin é chamado para conversar com o chefe dos pilotos. Um inesperado convite lhe aguardava: ser transferido para a Transbrasil para ser co-piloto de Boeing 737.

 

Após o treinamento de praxe, curso teórico e 20 horas de simulador, Bordin entra em operação e em maio é checado em vôo e aprovado para receber sua licença de Co-Piloto de Boeing 737, versões 300 e 400.

 

Com o início da crise na Transbrasil e a conseqüente redução da frota, Bordin deixa a empresa em junho.

 


 

Resumo das horas voadas

Tipo Equipamento Empresa Horas

Jato:

Boeing 737 (300 e 400)

Transbrasil

135

  E-Jet (175 / 190) Trip 2.875
  E-Jet (190 / 195) Azul 813

Turboélice:

Brasília

Interbrasil

922

  ATR (42 e 72) Trip 422
Multimotor: Apache, Beech-76, Sêneca. Particular 56
Monomotor: AB-115, Cherokee, C-172, Corisco, etc. Particular 276
   

 Total

5.499

 

2008 - O retorno

 

Após ter atuado como empresário e professor universitário desde que deixou a Transbrasil, Bordin resolve voltar às origens e para seu local de trabalho preferido: o cock-pit de um avião!


Depois de 8 longos anos sem atuar como piloto de linha aérea, Bordin é convidado para participar de uma seleção para co-pilotos de ATR na Trip Linhas Aéreas. A difícil seleção envolveu entrevistas, provas de regulamento, inglês, meteorologia, regras de vôo por instrumento e uma dinâmica de grupo.


Após ser aprovado na seleção, Bordin faz o Ground-School do avião (três semanas de aula sobre todos os sistemas de avião) e após é enviado à Toulouse, na França, para fazer o treinamento em simulador.


O avião que Bordin está pilotando na TRIP é o consagrado turboélice ATR (Avião de Transporte Regional) nas versões 42 (para 50 passageiros) e 72 (para 70 passageiros), fabricado em Toulouse.

 

2009 - Convite inesperado!

Coisas boas acontecem quando a gente menos espera. Basta estar no lugar certo, na hora certa. Foi o que aconteceu com Bordin na Trip. No dia 25 de março recebeu um inesperado convite para voar os novíssimos jatos Embraer 175 que a Trip está recebendo neste ano.

 

Bordin já completou todo o difícil treinamento (3 semanas de Ground-school na própria Embraer e 10 sessões de simulador na JetBlue University, em Orlando) e agora aguarda o início das operações do jato para entrar em rota.

 

2010 – Segundo convite inesperado!

No início de setembro Bordin recebe seu segundo convite inesperado na Trip: fazer parte da tripulação encarregada de trasladar um EMBRAER175 adquirido pela empresa (o sétimo da frota) e que encontrava-se em Clermont-Ferrand, França.

A decolagem ocorreu no final de uma bela e ensolarada tarde do dia 29.

 

O primeiro pouso após 03:35 hs de voo foi no aeroporto de Lanzarote, Ilhas Canárias, onde a aeronave foi reabastecida. O segundo pouso, depois de 02:45 hs de vôo, foi na Ilha do Sal, Cabo Verde, onde a tripulação pernoitou.

 

Dia 30, cedinho, um tranqüilo vôo de 04:10 hs de duração para Recife nos esperava.

 

A última etapa do traslado foi de Recife para Confins, 02:30 hs de vôo, onde a aeronave fora entregue para os trâmites de vistoria da ANAC. Missão cumprida!

 

Dezembro de 2011 - Primeiro fretamento da Trip para Sint Maartan.

Bordin é escalado, ao lado do comandante Castro Alves, para fazer o primeiro fretamento da Trip para a paradisíaca ilha de Sint Maartan (parte holandesa) e Saint Martin (parte francesa).

 

O EMBRAER 190, prefixo PP-PJN, decola de Manaus no dia 31 de dezembro, às 15:46 hs (horário de Brasília) e pousa suavemente no famoso aeroporto internacional Princesa Juliana (aquele que aparece em filmes e fotos, bem próximo da praia) às 18:59 hs (horário de Brasilia).

 

O retorno ocorre às 20:42 hs, com pouso no dia primeiro de janeiro, no aeroporto internacional Eduardo Gomes, em Manaus, à meia-noite e quatro, sempre horário de Brasília.


Tela do MFP mostra o destino do voo - TNCM - , o tempo estimado de voo - 03:38 hs.

 


Instantes antes do pouso no aeroporto internacional Princesa Juliana, no lado holandês da ilha, que fica bem próximo a famosa praia das fotos e filmes.

 


Morro logo após a pista e tempo ruim nos esperam para a decolagem. Por isso é mandatório uma curva para a direita logo após a decolagem.

 

 

Abril de 2013 - Quarto voo internacional pela Trip.

 

Desta vez Bordin foi convidado para levar o PP-PJI, um EMBRAER 175, juntamente com o Cmte Costa, para a Cidade do México.

 

O longo voo teve início no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, no dia 29. A decolagem ocorreu às 07:28 hs local e o pouso, no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus, foi às 10:05 hs local. O voo durou 03:37 hs.

 

No dia 30, às 13:19 hs, oo PP-PJI deixava o solo de Manaus rumo a Cidade do Panamá. O pouso na capital do Panamá ocorre às 15:44 hs, horário local. Esta primeira internacional etapa durou 03:25 hs.

 

No mesmo dia, às 17:57 hs, o PP-PJI deixava para trás o Aeroporto Aeroporto Internacional de Tocumen e às 20:17 hs o E-Jet tocava o solo do Aeroporto Internacional de Tapachula, na cidade de Tapachula, na divisa com a Guatemala. Esta etapa durou 02:20 hs.

 

Nesta cidade ocorreu o controle de entrada no país como também a vistoria da aeronave com policiais altamente armados e cães farejadores em busca de drogas.

 

Às 21:34 hs, após todos os trâmites legais, o PP-PJI decolava rumo ao seu destino final. Finalmente, às 23:26 hs, o E-Jet 175 da Trip pousava no Aeroporto Internacional Benito Juárez da Cidade do México. Esta última etapa durou 01:41 hs.

 

 

Tempo total de voo de Confins até a Cidade do México, com as escalas em Manaus, Cidade do Panamá e Tapachula: Onze horas e três minutos.

 

 

Maio de 2014 - Convite mais do que esperado!

Na manhã do dia 12 de maio, o celular toca: do outro lado da linha, uma colaboradora da diretoria de operações da AZUL me pergunta se aceito o convite para participar do treinamento para elevação de nível, o que significa, na prática, a realização de um sonho e objetivo: tornar-se comandante de linha aérea! O treinamento deveria começar na primeira semana de julho, mas, em virtude de férias agendadas, o treinamento, composto de 3 fases (sala de aula, simulador e instrução em rota), começa em agosto.

 



Setembro de 2014 - Uma nova fase na carreira.

O dia 11 de setembro entrará para a história de Bordin como uma das datas mais importantes de sua carreira de piloto de avião, pois foi neste dia, que Bordin sentou, pela primeira vez, na poltrona da esquerda no cockpit do Embraer, para fazer seu primeiro voo já na condição de comandante em instrução. O voo 4194, na aeronave EMBRAER 195 prefixo PR-AXD deixou o solo do aeroporto internacional de Campinas às 22:04, no horário, com destino à Natal, RN, sob o comando de Bordin. Ao seu lado, na função de comandante instrutor, estava o Cmte Albernaz.

 

A instrução em rota é composta por 150 horas de voo, sempre acompanhado de um comandante instrutor. Ao final desta etapa, é marcado um cheque em voo, onde o comandante em instrução será avaliado e checado para receber (ou não) a licença de COMANDANTE.

 

 

Dias 20 e 21 de novembro de 2014: A hora da verdade!

 

Finalmente chegou o voo que iria sacramentar a promoção de Bordin na AZUL: 

 

no voo 2798, decolando às 23:40 hs do dia 20, de Confins para Natal, no EMBRAER 195 PR-AUE, e, no voo de volta, 2799, decolando de Natal para Confins, às três horas da madrugada do dia 21, no mesmo avião, Bordin é checado pelo Cmte/Checador Flávio e recebe o sinal verde para receber sua licença de comandante de EMBRAER 190/195 da Azul Linhas Aéreas. 

 

Um voo histórico que sacramentou sete anos e meio voando como copiloto, nas empresas Interbrasil Star, Transbrasil, Trip e, finalmente, AZUL. Um voo que sacramentou centenas de horas de simulador de Brasília, Boeing 737, ATR e EMBRAER. Um voo que encerrou um ciclo e deu início a uma nova fase na vida de piloto de linha aérea de Bordin.

 

Depoimentos

O livro está redondo, enxuto, inteiro agradável e o que é mais importante: todo bom.

Antônio Inácio Ribeiro