Preparação Física

O assunto que escolhemos para a primeira dica é pouco comentado e destituído de qualquer glamour. Entretanto, a preparação física do piloto e do navegador é também responsável pela boa performance da dupla numa prova e começa muito antes da assinatura da ficha de inscrição.

 

 

A performance de um piloto não depende apenas de suas habilidades técnicas, da qualidade da preparação de seu carro e da boa interação com o navegador. Estar bem preparado física e psicologicamente não vai, é claro, garantir subidas ao pódio, mas, por outro lado, irá permitir à dupla obter o melhor rendimento possível, evitando que problemas relacionados a cansaço, desconforto, diminuição dos reflexos e falta de concentração afetem sua performance.

 

• Preparação física. O rali é um esporte que exige muito de seus pilotos, tanto física como mentalmente. Ao contrário dos circuitos de asfalto, onde existem grandes retas (quando o piloto aproveita para “respirar” e checar os instrumentos) e ausência de buracos e saltos, no rali, o que mais se encontra pela frente são curvas, buracos, saltos e poucas grandes retas. Para suportar horas seguidas de grande exigência de braços, pernas e muito desconforto causado pelos buracos, saltos e banco apertado, é fundamental uma boa preparação física, que deve aliar bom condicionamento e exercícios de alongamento para melhorar as condições da coluna, que sofre muito numa prova. E, conforme uma entrevista do Paulo Lemos a uma rede de TV, o que mais lhe incomodou no Rali de Florianópolis não foi exatamente a coluna, mas sim, seu cotovelo esquerdo, o qual batia constantemente no “santo - Antônio”. Literalmente o Lemos correu com dor de cotovelo aquele rali.

 

A parte de raciocínio do cérebro também deve ser trabalhada, facilitando o reflexo e a rápida interação com o navegador. Ao contrário das outras modalidades do automobilismo - onde não existe a figura do navegador - este funciona como o cérebro do piloto, enviando informações que possibilitem ao piloto “enxergar” o que vem pela frente antes mesmo de as ver.

 

Outra preocupação que pilotos e navegadores devem ter é com o funcionamento de seu intestino, evitando fazer com que o piloto saia correndo atrás de banheiro no meio de uma prova. Ou mesmo competir com uma tremenda vontade de ir ao banheiro. Qualquer tipo de desconforto que a dupla venha sentir irá, indubitavelmente, afetar sua performance.

 


Sady Bordin, 49 anos, é co-piloto da Trip Linhas Aéreas, palestrante, professor e consultor de marketing.

Depoimentos

Há algum tempo li seu livro. Foi de grande ajuda por isso gostaria de agradecer por te-lo escrito.

Juliana Lessa
Estudante, São Paulo / SP